26/08/2015

Parque Nacional Los Glaciares, Argentina

Parque Nacional Los Glaciares



O Parque Nacional Los Glaciares está localizado a sudoeste da província de Santa Cruz, numa área de 730 mil hectares. Criado para preservar uma grande área de gelo continental e dos glaciares, a floresta andino-patagônia austral e amostras da estepe patagônica, é a maior área do Sistema Nacional de Áreas Protegidas Argentinas. Foi criado em 1937, como área de reserva e transformado em parque nacional em 1945.

O que fazer 
Atividades de trekking no gelo, vela, caminhadas, escalada, pesca desportiva, camping e safáris fotográficos, são algumas das opções oferecidas pelo Parque Nacional Los Glaciares, em diferentes pontos: Glaciares Perito Moreno, Upsala e Spegazzini, Lago de Pedra, Cerro Chaltén e Fitz Roy, Glaciar Viedma, Chorrillo del Salto, Campo de Gelo e Lago del Desierto. O Parque Nacional Los Glaciares está localizado na ecorregião da estepe patagônica e as florestas da Patagônia. Seu nome evoca a magnitude das geleiras que constróem a paisagem dos Andes do sul. Estas geleiras oferecem magnífica visão de indescrítivel massa glacial entre montanhas e florestas. Mais famoso, o Glaciar Perito Moreno apresenta, diáriamente, belíssimo espetáculo, emoldurado numa paisagem com a presença de lagos e rios de degelo entre montanhas altíssimas de diversas cores como o Cerro Chaltén ou os Cerros Fitz Roy e Torre. Em 1981, a UNESCO declarou a área Patrimônio da Humanidade, tornando-se o primeiro Parque Nacional para obter esta honrosa distinção. 

Clima e Tempo 
As temperaturas médias variam entre -6 ° C no inverno e 14º C no verão nas zonas mais baixas. Em média, ocorrem 500 a 900 mm de precipitação anual de leste a oeste, distribuídos de forma bastante equilibrada ao longo do ano. Há abundante queda de neve durante os meses mais frios. A época ideal para visitar é primavera, verão e início do outono (setembro a abril). 

Flora e Fauna 
Pastagens de estepes com arbustos espinhosos, coirón, neneo e mata guanaco.. Montanhas coloridas desde a base até o topo com árvores e arbustos que vão da cor cereja ao amarelo. A fauna compreende, principalmente, animais selvagens – huemul, puma e a raposa vermelha, e aves de espécies bem características, como a condor, águia e pica-paus. 

Serviços e Recomendações 
Os serviços de turismo estão concentradas em El Calafate e El Chaltén, com hotéis, pousadas, albergues e aluguel de casas, além de restaurantes, bares, cervejarías,  estações de serviço e agências de viagens receptivas. O Parque Nacional conta com área de camping - no Lago Roca, e uma área livre – Lago de Pedra, contando com área para piquenique - Rio Mitre. Existem áreas de camping livre nas trilhas do norte, em El Chaltén. Em todas as áreas protegidas na Argentina, a entrada com animais de estimação não são permitidos. Recomenda-se observar o estado das trilhas antes de iniciar as atividades, bem como as condições de tráfego e climatológicas. Conversar com os guardas-parque é necessário para indicações precisas e seguras. Atividades de pesca devem contar com a devida licença de permissão. O resíduo produzido deve ser totalmente recolhido e carregado de volta pelo visitante, que é responsável pelo próprio lixo. Fogueiras são permitidas apenas nos acampamentos com madeiras permitidas e indicadas. Os escaladores devem estar registrados no centro de pesquisa dos Parques Nacionais e cobertos por seguro. Mais informações: www.parquesnacionales.gob.ar



El Chaltén 

El Chaltén é a cidade mais jovem da Argentina, fundada em 1985 para manter a soberania do país sobre territórios na disputada fronteira patagônica com o Chile. Está localizada no sul dos Andes, no canto sudoeste da Patagônia Argentina, no sopé do Monte Fitz Roy, ou Chaltén - às margens do Rio de las Vueltas. É uma pequena aldeia turística fundada no Parque Nacional Los Glaciares. 
Esta cidade, com 1600 habitantes, é um dos principais destinos para montanhistas e amantes do trekking de todo o mundo, na temporada de verão. Eleita a capital do trekking da Argentina, atrai os turistas pelas magníficas montanhas, lagos e glaciares. Suas montanhas, desde a década de 1940, atraem praticantes do esporte montanhismo fascinados por suas paredes de rocha e gelo. As montanhas mais procuradas da região são: o Cerro Fitz Roy, ou El Chaltén, que deu o nome à cidade, e o Cerro Torre, considerado por muitos a montanha mais difícil do mundo. 
Em outubro de 2014, El Chaltén ficou em segundo lugar em um ranking de de "melhores cidades do mundo para saber" do guia de viagens Lonely Planet publicação em 2015. O aeroporto de acesso está em El Calafate.
A cidade deve o seu nome à colina próxima. O nome vem de Chaltén Aonikenk ou tehuelche linguagem e significa "montanha de fumo" por causa das nuvens visualizadas constantemente em seu topo, e também ao fato de, da crença dos antigos habitantes, de que tratava-se de um vulcão. A montanha é considerada sagrada para a parte indígena local. Francisco Moreno nomeou-o Fitz Roy em 02/03/1877 em homenagem ao capitão do HMS Beagle, Robert Fitz Roy, que visitou o Rio Santa Cruz em 1834. Embora a cartografia oficial tenha preferido nos últimos anos, renomear Chaltén em detrimento do Fitz Roy, que foi usado por grande parte do século XX, o último nome é o mais usado pelo mapeamento oficial. Mais informações: www.elchalten.com 

El Calafate 

El Calafate é uma cidade localizada na província de Santa Cruz, na Argentina, muito perto da fronteira com o Chile. Possui em torno de 21 mil habitantes e está 270 km distante de Río Gallegos, a capital provincial, e 210 km de El Chaltén. O nome El Calafate vem do arbusto Berberis microphylla, que nasce na região e que produz uma pequena fruta da qual se fazem doces e geleias. Dizem que a pessoa que provar tal fruto, sempre volta à El Calafate.
É a cidade mais próxima do Parque Nacional Los Glaciares, a cerca de 80 quilômetros, onde localiza-se a maior geleira em extensão horizontal do mundo: o Glaciar Perito Moreno, que encontra-se constantemente em evolução com diminuição de sua área devido ao aquecimento global. Também se localiza próximo de outra importante geleira: o Glaciar Upsala.
O turismo está em franco desenvolvimento e constitui a principal fonte de receita da região, oferecendo excelente estrutura hoteleira, aeroporto moderno e opções de turismo. As estradas e acessos são bons e bem sinalizados. El Calafate possui clima frio, com média anual de 7º.C, temperaturas máximas por volta dos 13º.C e mínimas por volta dos -10º.C. Na região, destaque para a fauna com o zorrino-patagônico (como um gambá de faixa branca nas costas), o huemul (cervo), a águia Mora, os patos-das-torrentes, cauquenes, entre outros.
A maior atração é o extraordinário Parque Nacional Los Glaciares que descem por extensões de que chegam a 170 quilômetros. Formados basicamente de neve compactada, possui milhares de nuances do branco ao azul. Na sua maioria, terminam no lago Argentino, onde se fragmentam desde farelo de gelo a grandes icebergs, descendo lentamente o leito do lago até seu derretimento.
Os glaciares movem-se até um metro por dia, atritando-se violentamente com o terreno, moldando-o e lançando, no lago, sedimentos finíssimos, que ficam em suspensão na água. Quanto mais azul, maias antiga é a formação do gelo, chegando à idade de bilhões de anos.
Mais informações: http://elcalafate.tur.ar